segunda-feira, 20 de março de 2017

Juntos para avançar:" Luta, jornalista"

A Oposição Sindical integrará a chapa única que concorre ao sindicato dos jornalistas neste ano. Esta decisão foi tomada não só diante dos enormes desafios que se colocam para nossa categoria, mas  principalmente por vermos nos companheiros do "Luta, jornalista" o compromisso de defender os trabalhadores.

Uma aliança que se faz em absoluto acordo com nossa carta de princípios. Estamos certos que esta união vai permitir um avanço ainda maior ao sindicato e à categoria e que teremos um mandato coletivo. 

O momento que enfrentamos nos coloca em batalhas fundamentais para nosso futuro. Desemprego, reforma previdenciária e trabalhista, acúmulo de funções, salários baixos, desrespeito a jornada de trabalho, escalas desumanas e roubo de horas extras são parte de nossos desafios.

É tempo de luta e aqui estamos. "Luta, jornalista" pois o amanhã será o resultado de nossas batalhas.


terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Estado de Minas demite arbitrariamente

A Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas repudia a demissão arbitrária e injustificada de jornalistas do Estado de Minas, ocorridas nesta segunda-feira (19). A Oposição manifesta ainda sua solidariedade aos trabalhadores demitidos, cuja competência é reconhecida por toda a categoria. 

O desligamento sumário desses jornalistas integra o rol de arbitrariedades cometidas pelos Diários Associados em 2016, que tem descumprido direitos trabalhistas como pagamento de abono de férias, recolhimento do FGTS, INSS e redução de salários.

Não podemos mais aceitar as demissões em massa ocorridas a cada virada de ano, banalizando-as na medida em que são tratadas como “passaralhos”. Um eufemismo que enquanto tal cumpre o papel de minimizar um problema. A prática de demissões arbitrárias é realizada no interior de um quadro de desvalorização e retirada dos trabalhadores da notícia. À luta, pois e à vitória! 

Belo Horizonte, 20 de dezembro de 2016
Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Campanha Salarial: Proposta patronal abre caminho para demissões

Mais do que rebaixar salários e não recompor as perdas com a inflação, a proposta patronal para os jornalistas de Jornais e Revistas encobre a pretensão das empresas de abrir caminho para mais demissões nas redações de Minas Gerais.

O sindicato patronal tenta impor a alteração da cláusula que regula o acúmulo de funções, possibilitando que os trabalhadores da notícia exerçam atividades distintas daquelas para as quais foram contratados. Ou seja: além de apurar e redigir a matéria, os jornalistas terão de fotografar, produzir vídeos e editar todo o conteúdo, como vem acontecendo nos portais de notícia.

Para além da intensificação da exploração sobre a categoria, a flexibilização ou fim da cláusula que regulamenta o acúmulo de função terá como efeito a redução de postos de trabalho e, consequentemente, demissões que afetarão principalmente os jornalistas de imagem (repórteres fotográficos e cinematográficos).

A exigência dos patrões de só negociarem caso a categoria só aceite a “mudança” na cláusula do acúmulo de função não passa de uma chantagem, de quem tem como objetivo a retirada de direitos dos trabalhadores em nome do lucro. É hora de resistir, não podemos aceitar mais esse ataque. À luta, pois e à vitória!

Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas
Belo Horizonte, 31 de outubro de 2016

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

O Tempo demite jornalista arbitrariamente

A Oposição Sindical repudia a forma persecutória e truculenta com que a direção do Jornal ao Tempo demitiu o jornalista Lucas Buzatti, em clara retaliação a postura adotada por ele durante a infestação de piolhos de pombo na redação e a campanha salarial.

A demissão foi, acima de tudo, uma ameaça aos trabalhadores da notícia, já que na mesma semana o jornal já havia realizado outra demissão por retaliação. As dispensas são agravadas pelo fato de serem realizadas após acordo entre os trabalhadores e a empresa que garantia 120 dias de estabilidade aos jornalistas.

A desfaçatez com que a empresa se portou é criminosa. Representantes do patronato afirmaram que só assinariam o acordo com os trabalhadores após realizar as demissões desejadas. Mais que uma intimidação, tal episódio se configura como grave assédio aos trabalhadores.

Os trabalhadores da notícia não se vergam diante de tais desmandos e seguem atuantes na luta por melhores salários e condições de trabalho.

Toda nossa solidariedade ao companheiro Lucas e todos os demais trabalhadores do jornal O Tempo. Temos a certeza que a luta encampada nas últimas semanas uniu ainda mais nossa categoria, a mobilização realizada pelos jornalistas do Tempo é um exemplo para todos nós.

Seguimos adiante, seguimos em luta!

Belo Horizonte, 6 de outubro de 2016
Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Demissão no O Tempo é tentativa de intimidação

A demissão ocorrida no jornal O Tempo, nesta segunda-feira (3), não passa de uma tentativa de intimidação dos trabalhadores da notícia, que, nas últimas semanas, realizaram fortes mobilizações pelo reajuste salarial e contra a retirada dos direitos trabalhistas.

A ameaça de desemprego é uma das mais vis e antigas armas do patronato para arrochar salários e retirar direitos dos trabalhadores. Entretanto, em todo o país, a classe trabalhadora tem dado mostra, com manifestações e greves, de que não está mais disposta a pagar a conta dos luxos dos patrões com o suor do seu trabalho.

A resistência dos jornalistas de Minas, em especial do O Tempo, nas últimas semanas são prova da força da categoria e está inserida no quadro geral da luta de classes no país, no qual os trabalhadores brasileiros não suportam mais tanta exploração.

Aos companheiros do jornal O Tempo toda nossa solidariedade. À luta, pois e à vitória!


Belo Horizonte, 4 de outubro de 2016
Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Jornalistas se mobilizam contra a redução salarial e pelos direitos trabalhistas

Os jornalistas do O Tempo, Hoje em Dia e Estado de Minas deram uma importante demonstração de força nesta quinta-feira (22), realizando mobilizações nas redações contra a proposta patronal de redução salarial e em defesa dos direitos trabalhistas.

As mobilizações são o primeiro passo de uma decisiva luta pela valorização profissional e dignidade da categoria, que não admite ter seus salários rebaixados e reivindica um aumento real capaz de recompor as perdas sofridas com a inflação. 

Na próxima segunda-feira (26), com a realização de assembleias da categoria, mais um importante passo será dado na luta pela preservação dos direitos dos trabalhadores da notícia. As mobilizações de hoje são um claro recado de que os jornalistas de Minas não irão aceitar o desrespeito do patrão e que estão dispostos a paralisar suas atividades em defesa dos seus interesses. 



Contra a redução salarial, greve! Pelos direitos trabalhistas, greve! 

Belo Horizonte, 22 de setembro, Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Contra a redução salarial e pelos direitos trabalhistas, greve!

Os jornalistas de todas as redações mineiras estão discutindo e se mobilizando contra a proposta de rebaixamento salarial que atende aos interesses exclusivos do patronato. Uma mobilização está marcada para esta quinta-feira (22/9) contra a proposta de redução dos salários, em cerca de 23%, dos trabalhadores de jornais, revistas, rádio e televisão e retirada de direitos trabalhistas, configurada como grave desrespeito praticada pelos donos das empresas.

O reajuste de 5%, proposto pelas empresas de rádio e TV, foi recusado pela categoria. Os donos de jornais e revistas propuseram, além da redução de cerca de 23%, imprimindo o reajuste de 3,5%, sem o pagamento retroativo, a investida contra os jornalistas soma ainda o corte nos diretos da CLT, como o adicional pago pelas 6ª e 7ª horas extras – conquistas forjadas no fogo da luta dos jornalistas, trabalhadores que vêm acentuando suas lutas desde as mobilizações ocorridas em dezembro de 2015 e janeiro de 2016, e que já mostraram forte capacidade de ação, elevando a categoria a um novo patamar de lutas.

A greve como a saída para impedir a proposta de redução de salários e garantir a retirada de direitos consagrados na CLT, apontada pelos jornalistas do O Tempo, na última assembleia na quarta-feira (14/9), é o caminho para a conquista da categoria por salários e manutenção dos direitos consagrados na CLT para o sustento básico da vida.

A Oposição Sindical dos Jornalistas de Minas em sua trajetória de lutas junto à categoria aponta a mobilização e resistência como a potência capaz de barrar as investidas patronais contra os jornalistas.

Contra a redução salarial, greve! Pelos direitos trabalhistas, greve!